A dura verdade sobre a palmada

A palmada vem sendo utilizada para disciplinar crianças desde sempre. Para muitos pais, o simples fato de terem sido educados dessa forma justifica agirem da mesma forma com seus filhos. E alegam terem crescido sem ressentimentos ou problemas emocionais. O fato de uma pessoa que fumou a vida inteira ter chego à velhice sem problemas respiratórios não significa que o cigarro faça bem, certo?

Palmadas não só não funcionam, como podem ser prejudiciais às crianças a longo prazo. Qualquer que seja a idade da criança, não existem efeitos positivos associados ao castigo físico.

A criança que apanha sente-se oprimida e pode ter a autoestima prejudicada. As surras estimulam a criança a mentir ou omitir, no desespero de evitá-las. E o pior, ela aprende a usar a violência em outras situações.

Pode parecer que uma palmada momentaneamente funcione, como uma solução imediata. Mas, a longo prazo, a criança aprende a escutar e obedecer apenas por medo, não por respeito. Futuramente, os resultados são a falta de confiança, a hostilidade, o ressentimento e a rebeldia. Apanhar dos pais forma cicatrizes emocionais que serão carregadas por toda a vida.

Se após uma palmada o mau comportamento continuar, qual o próximo passo? Gritar? Bater mais ou mais forte?

Como então educar e conseguir respeito?

O respeito é uma via de mão dupla: quando demonstramos respeito, somos respeitados. Agir com a criança como gostaríamos que agissem com a gente é a melhor solução. É a tal da empatia se fazendo necessária.

Uma solução é encontrar maneiras de reduzir seu próprio estresse. Cozinhe, faça caminhadas, ouça música, durma melhor, ou qualquer outra coisa que faça com que você se sinta bem. Gritos e agressões costumam ocorrer quando os pais já estão estressados com outros problemas.

Quando estiver saindo do seu eixo, dê um tempo, tome um ar, respire fundo. Em pouco tempo é possível ver a mudança do nosso comportamento refletida em nossos filhos!

Disciplinar significa ensinar. Existem outras formas de disciplinar nossos filhos: através da compreensão, empatia, criação de rotinas, diálogo e do envolvimento das crianças na criação das regras e solução dos conflitos.

Por Amanda Puly

Veja também:

3 princípios para pensar antes de disciplinar

Artigos Relacionados

Quando os filhos voam…

Quando os filhos voam…

Eu queria ter uma máquina do tempo para voltar na época em que meu primeiro filho era pequeno. Na verdade não sei explicar como ele pôde crescer tão rápido… Mas queria poder desfrutar de suas mãozinhas gordinhas novamente, vê-lo amar tomar...

Responder