A culpa não é da baleia

A televisão e as redes sociais só falam disso, é o assunto do momento: os pais estão preocupadíssimos com o tal “jogo da baleia azul”. Um jogo virtual que se estende à vida real, onde jovens são desafiados diariamente com atividades perigosas e ao final devem tirar a própria vida.

As autoridades estão ativamente atrás dos criadores e incentivadores deste jogo, mas será que essa busca pelos culpados irá resolver o problema?

Segundo dados da Organização Mundial da Saúde, o suicídio é a segunda principal causa de mortes entre jovens (entre 15 e 29 anos), perdendo apenas para o trânsito. E não, a culpa não é da baleia. Ela foi apenas mais um gatilho. A adolescência é uma fase complicada, de busca pela identidade, pelo autoconhecimento e pela constante aceitação.

A internet não perdoa. Logo surgiram muitas piadas sugerindo que o que falta a esses jovens são limites ou até mesmo o que fazer. Será mesmo?

O que afasta e mata os jovens é a falta de diálogo, a ausência de carinho, a frieza no dia a dia, o tanto faz. A indiferença forma abismos entre as pessoas. E todo esse vazio vai sendo preenchido pelos celulares, computadores ou qualquer outra fonte de isolamento.

Que todo esse destaque ao menos sirva de lição àqueles que sobreviveram e que ainda estão preocupados com seus filhos: olhem para eles, procurem conhecê-los verdadeiramente, façam-se presentes!

Por Amanda Puly

Artigos Relacionados

Quando os filhos voam…

Quando os filhos voam…

Eu queria ter uma máquina do tempo para voltar na época em que meu primeiro filho era pequeno. Na verdade não sei explicar como ele pôde crescer tão rápido… Mas queria poder desfrutar de suas mãozinhas gordinhas novamente, vê-lo amar tomar...

Responder