Estamos perdendo nossos filhos e o ‘inimigo’ está dentro de casa

Os videogames e a televisão se tornaram babás eletrônicas de milhares de crianças e a dependência tecnológica está cada vez maior. A desculpa é que as crianças ficam mais calmas com eles, mas a verdade é que estamos constantemente ocupados e sem tempo para dedicar às pessoas que mais amamos.

A decisão de ter filhos envolve muito mais do que ter estabilidade financeira para os custos que virão. É necessário abdicar do nosso tempo, para então oferecer-lhes uma convivência de qualidade.

A tecnologia vem sendo utilizada de forma equivocada pela maioria das famílias. Maioria mesmo, desde os bebês super envolvidos em vídeos e tablets, até os adolescentes com seus smartphones e videogames. Crianças que passam a maior parte do seu tempo vidradas nas telas, cada vez mais distantes do mundo real. Quantas famílias já não jantam mais juntas ou fazem programas em que todos os membros participem? Quanto tempo temos dedicado a ouvir nossos filhos?

Existem dois problemas muito sérios sendo gerados como consequência. O primeiro deles é o efeito rebote: crianças cada vez mais isoladas, carentes de afeto, sem limites e até agressivas. O segundo são as oportunidades valiosas de interação com nossos filhos que estão sendo perdidas.

Aí a gente sai à procura dos culpados para as crianças estarem tão despreparadas emocionalmente e tão desobedientes. Mas na verdade os culpados somos nós mesmos, nossa ausência.

Não sei se eu acredito muito nessa história de “qualidade do tempo”. A formação das crianças depende das informações que elas recebem diariamente nas suas vivências. Então a quantidade se faz tão importante quanto a qualidade. Elas precisam ser ouvidas, precisam do nosso exemplo e da nossa atenção.

Se a tecnologia já tomou conta da sua casa e do seu relacionamento com seus filhos, uma dica é utilizá-la a seu favor. Joguem juntos, assistam juntos à TV, participe das suas redes sociais… Muitas vezes priorizamos tantos outros compromissos, quando na verdade não há nada mais importante que estar presente para nossos filhos!

Por Amanda Puly

Artigos Relacionados

Quando os filhos voam…

Quando os filhos voam…

Eu queria ter uma máquina do tempo para voltar na época em que meu primeiro filho era pequeno. Na verdade não sei explicar como ele pôde crescer tão rápido… Mas queria poder desfrutar de suas mãozinhas gordinhas novamente, vê-lo amar tomar...

Responder