Mentiras, mentirinhas e o que pode estar por trás delas!

Todas as crianças aprenderão a mentir em algum momento de suas vidas.

Na verdade, a mentira é um sinal de inteligência. Aprender a mentir significa desenvolver-se socialmente, neurologicamente, intelectualmente e emocionalmente. E na maioria dos casos, a criança quer apenas se livrar mais rapidamente de algum problema.

Se você pergunta a uma criança de 3 anos de idade: Quem riscou a parede?, ela responderá rapidamente que não foi ela, mesmo estando com a caneta nas mãos. É normal, ela está apenas afirmando que não é uma criança má e que não quer ser punida.

À medida que a criança vai ficando mais velha, ela começa a compreender as consequências dos seus atos, desenvolvendo mais empatia e compreensão. Logo, mentir se torna uma habilidade um pouco mais complexa.

A criança que é educada de maneira mais rigorosa, mais punitiva, não vê alternativas para a mentira. Ela mente para fugir dos seus erros. Ela não tem outra escolha.

É importante ter regras claras na educação dos filhos, mas o respeito e a empatia devem sempre prevalecer. Isso quer dizer que, quando uma criança comete um erro, ela não necessariamente precisa ser punida. O erro é uma forma de aprendizado. Se lá no início, quando ela rabiscou a parede, a mãe sentou ao seu lado, explicou que era errado e juntas limparam os rabiscos, a criança já começou a aprender que seus atos têm consequências, mas de uma forma respeitosa. O velho “cantinho do pensamento” não ensinaria nada, seria apenas uma punição.

O problema se agrava quando a mentira se torna um hábito. Neste caso, os pais não devem agir como detetives e tentar captar todas as mentiras para que sejam punidas. O melhor a se fazer é identificar os sentimentos que têm levado a criança a mentir.

Por exemplo, se a criança mente que entregou sua lição na escola, mesmo o professor alegando que não, é necessário investigar a intenção por trás da mentira. Pode acontecer da única motivação ser o receio de ser rejeitada ou castigada. Ela pode não ter concluído a atividade por dificuldades na matéria, falta de tempo ou pura preguiça. Em qualquer um dos casos, é a causa que deve ser investigada e trabalhada.

Se a mentira já se tornou problema crônico, talvez seja o momento de rever sua forma de educar, se não está sendo muito rigoroso, se o medo já superou o respeito. Tire o foco das mentiras em si e reconheça onde podem estar os problemas que a geraram. E o mais importante: seja a mudança que você quer ver em seu filho. Se a honestidade e o respeito são valores importantes para você, nunca deixe de ser honesto e respeitoso com ele. Não esqueça que os comportamentos de uma criança refletem aquilo que ela observa e vivencia!

Por Amanda Puly

 

Veja também:

Como as crianças aprendem a mentir?

Artigos Relacionados

Quando os filhos voam…

Quando os filhos voam…

Eu queria ter uma máquina do tempo para voltar na época em que meu primeiro filho era pequeno. Na verdade não sei explicar como ele pôde crescer tão rápido… Mas queria poder desfrutar de suas mãozinhas gordinhas novamente, vê-lo amar tomar...

Responder