Entre a infância e a adolescência: a fase de transição

Ao contrário do que acontece na infância, quando os pais são as maiores referências para os filhos, na adolescência esse modelo começa a se transformar. As maiores influências passam a ser de amigos e de ídolos (estejam eles na televisão ou na internet).

Momento difícil para nós pais, mas muito mais difícil para os filhos, que estão em busca da sua identidade, sua autenticidade. É uma fase cheia de descobertas e transformações, onde um certo receio de rejeição faz com que estejam sempre em busca da sua opinião própria e suas ideias originais.

Estou vivenciando essa fase com meu filho mais velho e confesso que tenho muitas dúvidas. Nem sempre sei qual a melhor atitude ou tenho a palavra certa. Mas é o momento de estreitar ainda mais os laços e cultivar a confiança:

  • Mantenha a comunicação aberta sempre. Converse todos os dias com seu filho, saiba o que acontece em sua vida, quais são suas dúvidas, suas alegrias e seus anseios. Seja a pessoa com quem ele pode contar em todas as suas angústias.
  • Os amigos ganham muita importância nessa fase, então não adianta ir contra eles. Esteja dentro do ciclo de amizades.
  • Seja receptivo às dúvidas do seu filho. É melhor que ele conheça o mundo através de você.
  • Procure entender o que se passa na cabeça dele antes de criticar. Divida momentos da sua vida quando tinha a mesma idade.
  • Use sempre a empatia e o respeito quando tiver dúvidas de como agir.
  • Não critique ou se surpreenda com mudanças de comportamento mesmo que ache estranho. As mudanças são naturais, fazem parte.
  • Mente aberta para saber que nem sempre a sua opinião sera ouvida e será muitas vezes contrariada.

É difícil ponderar as responsabilidades, distinguir se nossas cobranças serão para uma criança ou um adulto. A criança/adolescente que está em fase de transição irá questionar tudo que for ensinado pelos pais, afim de definir seus próprios valores.

Estamos acostumados a sempre saber o que é melhor para nossos filhos. Mas nessa fase eles já têm noção do que querem e o que é bom para si, o que nem sempre vai de encontro com nossos desejos. Nós é que precisamos abrir a mente e o coração. E aceitar! Tentar sempre agir de maneira verdadeira e honesta, pois é a melhor forma de demonstrar respeito e conquistar confiança!

Por Amanda Puly

Artigos Relacionados

Quando os filhos voam…

Quando os filhos voam…

Eu queria ter uma máquina do tempo para voltar na época em que meu primeiro filho era pequeno. Na verdade não sei explicar como ele pôde crescer tão rápido… Mas queria poder desfrutar de suas mãozinhas gordinhas novamente, vê-lo amar tomar...

Responder