Gotas de infância e algumas memórias

Por Fábio Andreis*

Dia desses, me peguei voltando à infância. Era sábado eu havia acabado de voltar do trabalho. Chovia, mas como era verão, o tempo estava quente. Minha esposa, olhando pela sacada, disse que estava com vontade de tomar um banho de chuva e minha filha (que adora uma bagunça), já se animou. Eu disse ‘Vão!’.

Agora eu, olhando pela sacada, ao ver a alegria das duas brincando encharcadas, imediatamente fui transportado a um tempo em que andávamos na rua, brincávamos, escorregávamos nas poças que se formavam na grama e andávamos de bicicleta por aí. Até me lembrei da cara de brava da minha mãe quando eu chegava em casa com a camiseta (coincidentemente branca) toda respingada de barro.

Durante aqueles minutos percebi a importância de valorizar momentos como esses, de não nos preocuparmos tanto com a roupa molhada ou suja, com os pingos , com o rabisco na parede, com o molho derramado na mesa, a farinha espalhada na bancada ou com a areia do parque. A bagunça e a sujeira fazem parte da experiência e da alegria de brincar!

*Fábio é o pai da Maria Clara e da Pietra, marido da nossa editora Paula.

 

Artigos Relacionados

Quando os filhos voam…

Quando os filhos voam…

Eu queria ter uma máquina do tempo para voltar na época em que meu primeiro filho era pequeno. Na verdade não sei explicar como ele pôde crescer tão rápido… Mas queria poder desfrutar de suas mãozinhas gordinhas novamente, vê-lo amar tomar...

Responder