Ensino X Educação

Por Luana Gabriela*

O filósofo e educador Mario Sergio Cortella em entrevista à revista Filosofia relatou a angústia de um pai que certa vez perguntou-lhe como a família poderia ajudar a escola na educação dos estudantes. Cortella, sabiamente, respondeu ao pai que é o oposto que deve acontecer: a responsabilidade da educação é da família, a escola é que colabora nesse processo.

Infelizmente, aquela é a atual percepção dos pais brasileiros. Como educadora posso dizer que nos últimos anos a escola tomou para si diversas responsabilidades que antigamente não eram suas. Entre elas, ensinar valores morais e considerar na avaliação os problemas pessoais e familiares do aluno. À escola cabe ensinar matemática, línguas, ciências e tantos outros conteúdos impostos pelos mais variados documentos nacionais do Ministério da Educação. Estamos na era da Educação Humanista. Obviamente, como tudo há um lado positivo e um lado negativo dessa formação humanista.

O lado positivo certamente é olhar o indivíduo com capacidades próprias, habilidades a serem desenvolvidas. Já o negativo diz respeito a negligenciar as regras considerando as dificuldades temporais do aluno. Por exemplo, o aluno não pode comparecer à primeira chamada de uma avaliação por motivo de falecimento na família, tem, portanto, direito de realizar a segunda chamada, no entanto, também não poderá comparecer nessa, pois está com viagem de lazer marcada. Não há terceiras chamadas. Mas haverá para esse aluno. E haverá para muitos outros com variadas desculpas.

Questiono-me sobre que indivíduos as escolas brasileiras (públicas e privadas) estão formando. Serão futuros profissionais que não terão responsabilidades, que não saberão lidar com as consequências de seus atos. Sofrerão muito ao perceber que a vida profissional, o mundo fora da escola e de casa, não são, nem de longe, humanistas. Para fora dos muros da escola e da porta de casa cobram-se resultados. Não digo que isso é justo, apenas é. Nossos alunos não têm sido preparados para essa realidade nem em casa nem nas instituições de ensino. Ser humanista é também estar atento aos desafios que eles enfrentarão pós-ensino fundamental e médio e ajudá-los nisso, ainda que seja cobrando e fazendo-os lidarem com as consequências de seus atos.

*Luana é jornalista e professora de letras.

E-mail: luanagabriellas@gmail.com

Perfil no Facebook: Luana Silva

Artigos Relacionados

1 Comentário

  • Posted 1 de July de 2016
    Avatar

    Adriano Negocek

    Belíssimo texto professora.

Responder