O poder das palavras na educação das crianças

Aquilo que dizemos às crianças tem o poder de transformá-las. Para o bem ou para o mal, tudo depende das palavras que estamos utilizando.

“Você não faz nada direito!”

“Você é um preguiçoso!”

“Bagunceiro!”

“Está sempre incomodando.”

“Você não pára quieto!”

“Mentiroso”

Estamos frequentemente cansados, cheios dos problemas cotidianos, estressados com o trânsito e com o trabalho… E sem querer podemos expressar algo que não é exatamente o que estamos sentindo. O problema é que as palavras podem ferir e ficar marcadas, especialmente quando proferidas com raiva.

Nossa maneira de enxergar a vida influencia a forma como nos sentimos. Essa é uma decisão inconsciente, mas é possível exercitá-la para visão mais “otimista”. Mudar aquilo que acreditamos ser a verdade apenas alterando o ponto de percepção pode ser o caminho. Tente:

  • Usar menos a linguagem limitadora: você não consegue, você só sabe fazer dessa forma, eu odeio quando você faz isso, etc. Substitua por: você pode tentar de outras formas, vejo que você não estudou o suficiente, vamos tentar estudar mais na próxima oportunidade, talvez dessa outra forma seja mais agradável. Veja, é possível dizer a mesma coisa, utilizando uma linguagem menos severa, mais neutra.
  • Separe a atitude do indivíduo: Estar com preguiça não é o mesmo que ser preguiçoso. Critique a atitude, nunca a criança.
  • Use o humor: utilizar o bom humor estreita os laços e deixa os problemas mais leves!

Manter o autocontrole e medir o que estamos dizendo pode ser difícil, principalmente quando estamos irritados. Mas é um exercício necessário para não destruir a autoestima das crianças.

Já que as palavras são a base da educação, elimine:

  • xingamentos – todos eles. Nenhuma criança deve ser chamada de burra, preguiçosa, bagunceira, mentirosa, etc. Conversar sobre as atitudes é educar, mas nunca devemos rotular uma criança por seus comportamentos.
  • humilhações – evite chamar atenção na frente dos outros. Elogie em público, corrija em particular.
  • comparações – cada criança tem seu tempo. Comparar habilidades com irmãos ou amiguinhos destrói a personalidade e faz com que a criança se sinta inferior.

Lembre-se que palavras têm efeito mais devastador do que as armas. As crianças que se sentem valorizadas e incentivadas, tornam-se adultos mais confiantes, equilibrados e felizes.

Por Amanda Puly

Artigos Relacionados

Quando os filhos voam…

Quando os filhos voam…

Eu queria ter uma máquina do tempo para voltar na época em que meu primeiro filho era pequeno. Na verdade não sei explicar como ele pôde crescer tão rápido… Mas queria poder desfrutar de suas mãozinhas gordinhas novamente, vê-lo amar tomar...

Responder