O autismo e a seletividade alimentar

Nos últimos anos tenho assistido meu filho, que era um lindo bebê fofinho e redondinho, transformar-se em uma criança magra, com olheiras profundas e sem forças. Sempre frágil, corre muito pouco para uma criança da sua idade e não pedala nem 10 metros em sua bicicletinha. Como era de se esperar, seu crescimento também está abaixo.

Meu filho não sente fome, dificilmente tem vontade de comer. Mesmo quando eu passo horas preparando as comidinhas que ele diz gostar, ele pode olhar tranquilamente para o seu prato e dizer: “Não não, obrigado. Não estou com fome“. Intercalamos dias de seletividade com outros de total recusa. Frustrante para uma mãe, não?

Pessoas com autismo frequentemente apresentam problemas com a alimentação. Para entender esses problemas, é preciso compreender a rigidez no pensamento e os distúrbios sensoriais, que são características do autismo. Isso quer dizer que a seletividade alimentar não é uma frescura. Muitas crianças que estão dentro do espectro apresentarão um paladar restrito, que pode se modificar com o tempo, mas que será sempre limitado.

  1. Rigidez e inflexibilidade – A criança come alguns poucos alimentos ou até somente uma opção. Recusa-se a experimentar algo novo e não faz suas refeições em local ou horário diferentes da sua rotina. Os alimentos também nunca podem estar misturados no prato. Qualquer alteração na sua rotina prejudica sua alimentação.
  2. Problemas no processamento sensorial – cheiros, cores, visual, texturas, pedaços grandes, temperatura… tudo pode estar interferindo na vontade da criança em aceitar se alimentar.

Aqui temos um cardápio fixo, que é servido ao mesmo horário todos os dias. Experimentar algo novo? Arriscado… Sei que não estou sozinha neste barco. Já conheci crianças com autismo que só comiam alimentos de uma cor ou textura, ou cuja comida quase não tinha temperos, por causa do cheiro.

Almoçar fora, comer na casa de amigos ou parentes? Costuma ser um fracasso. Para esses dias, tento dar algo para que ele coma antes ou então levo um lanchinho de casa.

A seletividade pode estar direcionada a uma cor ou tipo de textura. Algumas vezes não encontramos uma regra ou especificação que a determine, a criança simplesmente não tem vontade de se alimentar. Fazem por obrigação ou por entenderem que realmente precisam. Para as famílias destas crianças, as refeições costumam ser momentos tensos e desafiadores. Uma verdadeira batalha diária.

Primeiramente é interessante identificar quais áreas estão mais afetadas: se a criança come sozinha, se serve sozinha, se aceita alimentos variados, se mastiga adequadamente, se consegue utilizar os talheres, se permanece sentada à mesa, ou se não gosta nem de olhar para o prato.

Tem solução?

Não considerando as causas médicas (alergias e intolerâncias), existem algumas táticas que podem ser adotadas no dia a dia para aumentar autonomia das crianças à mesa e melhorar a qualidade da alimentação:

  1. Sentar sempre à mesa, nos mesmos horários, evitando distrações, como TV ou brinquedos. Nem sempre é possível, mas o ideal é que todos da família sentem-se juntos nas refeições.
  2. Convidar a criança a participar do preparo dos alimentos, em algo compatível com suas capacidades. Pode ser lavar os legumes, separar galhinhos de couve-flor, fazer bolinhas com a massa de nhoque…. Durante o preparo, incentivar que ela experimente algo novo. Convidá-la também para a arrumação da mesa.
  3. Fazer o prato da criança colocando pouca comida e com uma variação de cores, mesmo que sejam alimentos que ela não coma. Faça um prato igual para você. Quando a criança for maior, estimule que ela faça o prato sozinha.
  4. Estimular que ela alimente-se sozinha incentivando o uso de talheres. Ajudar no início, colocando a comida na colher e levando-a até a boca da criança.
  5. Demonstrar como utilizar os talheres, colocar pouca comida na boca, mastigar com a boca fechada. Se a criança mastigar com a boca aberta, feche delicadamente o queixo dela, demonstrando como deve ser feito.
  6. Oferecer de formas diferentes alimentos que ela não goste de comer. Por exemplo: se ela não gosta de saladas, experimente fazer panquecas com a massa de espinafre ou uma torta salgada com a massa de couve.
  7. Estimular que a criança participe também da limpeza, jogando os restos no lixo e levando o prato à pia.

Ok. Mas e se nada disso der certo? Será que os pais não estão sendo preguiçosos ao desistir e acabar oferecendo sempre os mesmo alimentos? Definitivamente NÃO! Vejo por mim: faço cardápios variados, coisas que eu sei que são preferência do meu filho, trago coisas novas, invento receitas diferentes. Mas meu filho simplesmente não tem vontade de comer. Sabe aquele prazer que sentimos ao sentar à mesa, preparar os alimentos, sentir o cheirinho da comida…? Vejo que para ele isso não existe. Então, mesmo que eu tenha preparado com o maior amor do mundo, ele não come.

Pontos a considerar:

  • Alimentos separados no prato, sem misturar os itens, costumam ser mais aceitos. De preferência, use pratos com separação.
  • Para quem tem rigidez no pensamento, é reconfortante comer sempre a mesma coisa. Tente inserir um alimento diferente por vez. Isso quer dizer que você irá colocá-lo à mesa no primeiro dia e no prato nos dias seguintes. Vai dar tempo para que a criança se acostume com o cheiro, o visual, a textura, a aparência. Se mesmo assim ela não o aceitar, você substitui por outro alimento. Mas sempre um por vez.
  • Não demonstre sua ansiedade e expectativa durante a refeição. Faça com que seja um momento tranquilo e agradável, sem pressionar a criança. Alguns dias serão melhores que outros, mas nossa ansiedade não ajudará.
  • Não permita que as refeições sejam feitas em outros lugares. O cérebro autista aprende melhor quando segue uma rotina.
  • Utilize como incentivo o prato ou jogo americano de algum personagem que ela goste.
  • Não castigue se a criança não se alimentar ou comer pouco! A rotina é que criará o hábito da alimentação correta.
  • Valorize os pequenos progressos, porque são vitórias!

Por Amanda Puly

Artigos Relacionados

22 Comentários

  • Posted 3 de Outober de 2015

    Regiane Medeiros

    Meu filho tem 7 anos come sozinho a mesa ainda não consegue usar os talheres apenas colher, mais sua maior dificuldade e que ele não mastiga e isso me preocupa muito…. O que posso fazer para ajuda-lo?

    • Posted 3 de Outober de 2015
      Clube Materno

      Clube Materno

      Oi Regiane! A orientação nesses casos é deixar os alimentos bem picados e ir gradativamente deixando pedaços maiores. Devemos estimular que se alimentem sozinhos, mas auxiliando fisicamente para aprimorar aos poucos o uso dos talheres. Se ele consegue comer usando a colher, já é uma conquista! Quanto à mastigação, eu imagino que você já faça, que seria demonstrar e auxiliar fisicamente para que mastigue devagar. Quando engolir sem mastigar, dizer “mastigue devagar”, com paciência, mas com firmeza. É muito importante fazer o reforço positivo sempre que ele acertar!

  • Posted 3 de Outober de 2015

    Vanise

    Pratico tudo isso há 12 anos e a seletividade está instalada pela cor, cheiro e textura.
    Ele só come coisas picantes.

    • Posted 3 de Outober de 2015
      Clube Materno

      Clube Materno

      Realmente Vanise, quanto mais essa rotina se fixa, mais difícil de reverter. Se deve à rigidez no pensamento. Você já tentou fazer uma horta com ele, plantar uma árvore frutífera ou até brincadeiras usando as frutas e legumes? Ou algo que ele consiga preparar na cozinha? Eu imagino que você já tenha tentado muitas coisas diferentes… Mas seja sempre bem vinda a participar! Beijo

  • Posted 4 de Outober de 2015

    Antonia Zélia Bezerra Leão Mourão

    Meu filho tem 23 anos e nunca consegui q ele coma sozinho, já tentei mais ele coloca 2 ou 3 colheradas na boca e depois me devolve a colher p eu dar n a comida n boca dele. Será q ainda há chance dele conseguir comer sozinho ou já é muito tarde p isso? Bjss!

    • Posted 4 de Outober de 2015
      Clube Materno

      Clube Materno

      Olá Antonia! Parabéns pela sua persistência! Não, nunca é tarde. Não conheço o histórico do seu filho nem as dificuldades que vocês têm enfrentado, mas tenho certeza que você faz o melhor que pode. Continue estimulando, não esqueça de fazer muito reforço positivo sempre que ele fizer da maneira correta! Um beijo

  • Posted 4 de Outober de 2015

    mara

    meu filho é autista e vai fazer 4 anos sempre comeu bem, de uns tempos pra ca passou a não comer o lanche na escola, mando fruta não come biscoito não come,pipoca as vezes come, ai no outro dia o mesmo biscoito que eu mandi e ele comeu no outro dia, não come sei mas o que fazer em casa a mesma coisa , mas a dificuldade é mais no lanche, almoço ele come mas só se der pra ele, não sei o que fazer…

    • Posted 4 de Outober de 2015
      Clube Materno

      Clube Materno

      Oi Mara! Não se preocupe tanto com o lanche da escola, desde que ele esteja comendo bem em casa. Meu filho também não come frutas na escola porque temos nossos métodos em casa. Aliás, uma coisa que fez ele experimentar frutas foi plantar em casa. Continue estimulando a autonomia. Ele ainda é novinho, é o momento de colocar uma colher para ele praticar comer sozinho. No início você dá suporte, ajuda fisicamente, mas aos poucos vá estimulando que ele coma sozinho com a colher. Se tiver alguma coisa que ele goste muito (gelatina, por exemplo) deixe que ele pratique o uso da colher com este alimento. Fora isso, muito reforço positivo e paciência! Beijos

      • Posted 5 de Outober de 2015

        mara

        Obrigado , bjss

  • Posted 18 de Outober de 2015

    Josie

    Minha filha ainda não foi diagnosticada ainda, mas está no TEA. Pietra Chiara tem 2 anos e 4 meses de idade. Ela selecionou textura de alimentos. Só come a mesma coisa. Tenho que fazer as refeições dela pastosa. Tipo: Faço uma sopinha de legumes com carne. Depois bato no Mixer. Ponho no potinho e vou acertando a textura que ela aceita com caldo de feijão. Fora isso, ela também come abacate com chia, danoninho, mingau de maizena, bebe água de côco e leite. Não aceita beber nada no copo ainda. O neuro acredita que ela tenha autismo de alto funcionamento.

    • Posted 18 de Outober de 2015
      Clube Materno

      Clube Materno

      Olá Josie! Ela ainda é bem novinha, tem muitos estímulos que podem ser aos poucos trabalhados! Eu realmente acredito que conseguimos superar superar a maioria destes obstáculos! Um beijo, participe sempre!

  • Posted 9 de November de 2015

    Carin

    Meu filho completou 2 anos e 2 meses, até o mês de abril comia praticamente de tudo, desde essa data apenas suqueira com leite, biscoito maisena, iogurte e suco.
    Não aceita mais nada. Quando deixo espalhado pela casa alimentos diferentes ele os empurra para o chão, se ofereço ele fica ofendido e sai chorando, se eventualmente insisto ele joga no chão.
    Caso eu force algum alimente ele cospe. Ele também não dá funcionalidade para talheres. Ele está se desenvolvendo bem, mas apesar disso fico preocupada por causa dos nutrientes que deixa de ingerir.
    Obrigada

    • Posted 9 de November de 2015
      Clube Materno

      Clube Materno

      Olá Carin! Tente seguir as dicas que colocamos neste post. Crie uma rotina, coloque-o para participar quando estiver cozinhand, deixe-o “brincar” para conhecer os alimentos. Não desista! Aqui em casa também não é nada fácil, então estou sempre tentando estratégias diferentes. Um beijo!

  • Posted 22 de January de 2016

    Angelita

    Olá, lendo o teu post vi o meu filho, ele tem 10 anos e é muito seletista na hora da alimentação , no almoço e janta come apenas arroz e caldo de feijão e farofa, para comer carne ele me ajuda a fazer bolinho de carne (almondegas) é o unico jeito que come. Cada dia um novo desafio. Ele tem TDAH , dislexia e autismo leve.

    • Posted 22 de January de 2016
      Amanda Puly

      Amanda Puly

      Olá Angelita! Cada dia um novo desafio mesmo! Mas dá tudo certo quando temos paciência… Acho que seu desafio é fazê-lo experimentar coisas novas. Mas este é um super desafio, eu sei. Agradeço seu comentário! Um beijo!

  • Posted 3 de November de 2016

    thais de sousa sales

    Olá… Meu filho tem 3 anos e 3 meses, com diagnóstico aos 2 anos e 4m. Mamou no peito até 1ano e 5m e não houve problemas na iintrodução das papinhas. Mas próximo aos 2 anos passou a selecionar os alimentos, comia só feijão depois só arroz ora macarrão ora file de frango. Aos poucos foi deixando o alimento sólido e aceitando apenas liquido, suco de frutas e vitamina. Ele já ficou 3 meses sem aceitar o sólido dai por um dia ou dois morde alguma coisa. Agora minha preocupação é que ele aceita apenas leite de soja com chocolate que revezo entre o cacau e o sustagem. Amanhã vou leva lo ao pediatra e terça psiquiatra. Estou tentando ser forte mas simplesmente não dá.

    • Posted 3 de November de 2016
      Amanda Puly

      Amanda Puly

      Oi Thaís! Eu sei exatamente o que você está passando. Meu filho é muito seletivo e, quando come, parece um passarinho de tão pouco! Se seu filho tem aceitado os líquidos, capriche nas vitaminas. Dá pra disfarçar muitos nutrientes importantes. Porém, um bom terapeuta ocupacional pode fazer um trabalho de dessensibilização no paladar dele. É um progresso lento, mas que pode ir ajudando. Além disso, não perca a fé! Conheci algumas mães com filhos já maiores que tiveram o mesmo problema quando pequenos, e hoje se alimentam normalmente. Insista e não desanime! Um beijo🌷

  • Posted 6 de Fevruary de 2017

    Rosana

    Olá!! Me identifiquei com sua família … Também tenho dois filhos, o mais velho William (9 anos) TDAH e o menor Rafael (5 anos) autista. Realmente as coisas para nós não são nada fáceis. Minha maior preocupação hoje, é com a alimentação do Rafael, ele mamou no peito até 4 anos e meio, e comia de tudo, sopa de legumes, sopa de feijão, arroz feijão carne, sua pizza favorita era de brócoli, tinha orgulho da alimentação dele. De repente começou a ficar seletivo, só comia miojo, batata frita, bife de carne e pastel frito, assado não obtive sucesso, aproveitava e incluía no recheio do pastel, cebola, alho, pimentão, tomate … ele adorava, mas agora ele não quer mais carne e nem pastel. A alimentação se resume em batata frita e miojo, a tarde nem pão, nem bolo, só bolacha recheada, não sei mais o que fazer já fiz de tudo e nada. Meu maior medo é o risco da saúde dele, pois já tem colesterol. Não sei o que fazer.

    • Posted 6 de Fevruary de 2017
      Amanda Puly

      Amanda Puly

      Olá Rosana! Legal, temos muitas coisas em comum! É o seguinte, eu também vi meu bebê gordinho que comia de tudo se transformar em uma criança magrinha… Hoje ele tem 5 anos e pesa 14 quilos. Mas fiz mudanças radicais na alimentação aqui em casa. Não compro miojo, nem bolacha, nem refrigerante, nem suco de caixinha e não faço frituras nunca. Simplesmente não tem. É bem difícil porque todos os dias invento novos cardápios, o que não significa que ele irá comer. Mas dedico demais a isso! Uma coisa que meu filho sempre come são as panquecas coloridas. Você pode tentar, eles amam! Faço a massa com couve, beterraba ou outra coisa que tenha na geladeira, e uso farinha de aveia ou de grão de bico. Comecei dando só a massa, depois coloquei queijo e agora até consigo disfarçar uma carne de vez em quando. Mas como as panquecas, já inventei muuuitas coisas por aqui. Umas dão certo e outras não, o que não vale é desistir! Beijos

  • Trackback: "Ele vai comer quando estiver com fome!" Será...?

  • Posted 15 de Outober de 2017

    Luciane

    Oi Amanda, meu pequeno Pedro tem 4 anos e identificamos com o neuropediatra o autismo 🙁 O mundo caiu, mas precisamos seguir. Sempre trabalhei e ele ficava com a minha mãe; a partir do momento que ele entrou na escola, tudo começou a mudar…A seletividade aumentou, antes comia arroz, feijão mandioquinha, batata doce, carne moida, até o bifinho ele puxava e sugava …agora só bolacha agua e sal, leite Neslac e pediasure (a tarde fazemos uma vitamina com banana, maça, pera, morango… toma 7 medidas) e dou a zirvit kids pela manha, como suplemento. Quando fica resfriado, febre então, fico em um apuro sem noção, não come nada…Ta cada vez mais magro, já pensei a pedir ao pediatra pra fazer exames de sangue, já pensei em parar de trabalhar (e as terapias), tanta coisa…Nao é facil, nao sei q fazer…

    • Posted 16 de Outober de 2017
      Amanda Puly

      Amanda Puly

      Bom dia Luciane! Eu sei, é muito difícil! Passo pelas mesmas dificuldades por aqui… Uma coisa que ajudou um pouco foi colocá-lo para ajudar na preparação. Faço panquecas (de beterraba, couve, espinafre) e ele ajuda colocando queijo e enrolando. Já vivemos à base de panquecas por muito tempo! Eu invento várias receitas, que às vezes funcionam, às vezes não. Mas seguimos. Pouca gente entende a seletividade alimentar, acham que é frescura, mas enfim… É importante entender a seletividade dele, se é por uma cor, uma textura, ou se prefere alimentos secos, ou se prefere comer apenas um alimento de cada vez. São muitas as possibilidades, mas é importante descobrir para então conseguir ajudar. Eu parei de trabalhar para poder cozinhar e ajudar em outras questões também. Temos que ir testando, pois nem tudo que dá certo com uma criança dará certo com as outras. Volte aqui para nos contar os progressos e não desanime! Alguns dias serão melhores que outros! Beijos

Responder