Integração sensorial e autismo

Integração sensorial é organização e o processamento das sensações recebidas pelo nosso corpo. Essas sensações chegam para nós através dos nossos sentidos: visão, audição, paladar, tato, olfato, vestibular (equilíbrio) e proprioceptivo (percepção das partes do seu corpo). Os dois últimos são os menos conhecidos, mas já falamos sobre eles anteriormente. Você pode clicar nas palavras para abrir os links!

Qualquer pessoa pode apresentar, em algum momento da vida, dificuldades com o processamento das informações sensoriais. Essa dificuldade pode ser sutil e resolvida rapidamente com um simples momento de silêncio ou uma troca de roupas, por exemplo. Mas em crianças e adultos com Transtorno do Processamento Sensorial (TPS) essas dificuldades são intensas e atrapalham o cotidiano. Cerca de 80 a 90% das pessoas que apresentam o transtorno do espectro autista, apresentam também o TPS.

Você pode observar em seu filho alguns sinais do TPS, como:

  • Não gostar de toques, ser abraçado;
  • Ter pouca percepção de frio/calor ou dor;
  • Se incomodar com determinado tipo de roupa ou com etiquetas;
  • Ficar perturbado em locais barulhentos ou com ruídos, como do secador de cabelos;
  • Se assustar facilmente;
  • Sentir enjoo em veículos em movimento;
  • Não gostar de cortar as unhas e cabelos, nem de escovar os dentes;
  • Chorar excessivamente, aparentemente sem motivo;
  • Passar as mãos em tudo, levar objetos à boca o tempo todo;
  • Reclamar de cheiros ou cheirar tudo que pega;
  • Dentre outros.

O TPS pode ser de dois tipos: sensory seekers (que buscam sensações) ou sensory avoiders (que evitam sensações). É bom ficar atento quando a criança lambe muito as coisas, cheira, passa as mãos por onde anda, gosta de ficar com os ouvidos na caixa de som ou quando se incomoda muito com agito, barulho, cheiros, toques, luzes, etc.

TRATAMENTO

O tratamento é feito através da terapia ocupacional, que elabora atividades lúdicas, interativas, intuitivas, sem que a criança perceba o real objetivo. A terapia melhora a qualidade de vida da criança, fazendo com que ela responda mais adequadamente aos estímulos do ambiente que até então a perturbavam.

A falta de tratamento pode resultar em falta de coordenação motora, comportamentos inadequados (birras, agressividade), isolamento, ansiedade (roer unhas/chupar o dedo), medos infundados, dificuldades de concentração, etc.

AMENIZANDO O TRANSTORNO DO PROCESSAMENTO SENSORIAL

Visando diminuir os incômodos que algumas sensações podem causar em pessoas com TPS, podemos adotar algumas estratégias no dia a dia, que são denominadas acomodações sensoriais:

  • Utilizar roupas confortáveis, sem etiquetas. Evitar jaquetas com zíper;
  • Oferecer fones de ouvido em locais barulhentos;
  • Ir ao parque ela manhã, horário com menos pessoas;
  • Ficar menos tempo em festas de aniversário, não esperar que a criança se sinta incomodada;
  • Optar por restaurantes arejados e menos barulhentos;
  • Usar cortinas escuras ou blackouts no quarto da criança, que permitem o escurecimento total do ambiente;
  • Diminuir o tempo das atividades;
  • Trocar lâmpadas defeituosas (piscando);
  • Utilizar cobertores pesados durante o sono;
  • Deixar baixo o volume da televisão, telefone, rádio, etc.;
  • Guardar os brinquedos de maneira organizada, em caixas transparentes. Evitar bagunça.

Pense nas sensações que podem causar irritação no seu filho e adote estratégias para amenizá-las. Lembre-se de todos os sentidos: visão, audição, paladar, tato, olfato, vestibular e proprioceptivo. É possível ver grandes e imediatas mudanças no comportamento da criança com essas simples atitudes!

Por Amanda Puly

Artigos Relacionados

4 Comentários

  • Posted 23 de Outober de 2015

    mara

    Boa noite! tudo bem? meu filho é autista e noto que fica bastante pertubado com barulhos e tem comportamento bastante inadequado em publico festa e etc. e coloca objetos na boca e tbm gosta de cheirar as coisas.comentei isso com fono e psicologo que ele faz tratamento e elas me falaram que não é caso dele , mas lendo essa materia é o caso dele sim, elas me disseram que ele ouve bem, mas o fato de ouvir bem não quer dizer que não tenha esse transtorno, não tenho mais vida social, não consigo fazer nada..aff ta dificil

    • Posted 23 de Outober de 2015
      Clube Materno

      Clube Materno

      Olá Mara! Pode ser o caso dele sim. O transtorno é mais comum do que se imagina… o ideal é consultar um terapeuta ocupacional. Ele que fará os tratamentos para que seu filho consiga viver melhor. Ouvir bem não significa que não tenha o transtorno. O TPS é, na verdade, a dificuldade em processar todos os estímulos do ambiente. Consulte um terapeuta o quanto antes, você vai sentir a diferença! Um beijo!

      • Posted 25 de Outober de 2015

        mara

        obrigado

  • Trackback: Acomodações sensoriais – Amenizando o Transtorno do Processamento Sensorial | Clube Materno

Responder