Como as crianças aprendem a mentir?

Desde muito pequenas, as crianças são observadoras e estão sempre atentas ao que acontece à sua volta.

Antes dos 6 meses de idade, os bebês choram quando sentem fome, sono, desconforto, dor. A partir dos 6 meses, começam a perceber que, ao chorar, chamam atenção da mãe e começam a usar esse artifício também para ganhar atenção. Os pais geralmente conseguem detectar quando esse choro é de mentira.

Com o passar do tempo, as crianças aprimoram suas habilidades observando o comportamento dos adultos. Aquela promessa não cumprida, aquele elogio não muito sincero, aquele “diga que eu não estou”, são comportamentos nossos que estão sendo absorvidos por essas mentes tão pequenas, ainda em formação.

Muito rápido elas aprendem que podem contar uma mentirinha para esconder algo que fizeram errado, para chamar atenção, ou até para disfarçar uma insegurança.

SAINDO DA FASE AMADORA

Por volta dos 7 anos, a criança já está mais “afiada”. Consegue argumentar, deixar sua mentira tão rica de detalhes que chega a convencer.

A partir daí, passando pela adolescência até a fase adulta, a mentira é constantemente aperfeiçoada. A criança aprende a sustentar a mentira, olhar nos olhos, não se contradizer, ser coerente.

SERÁ QUE TEM JEITO?

É claro que a mentira nunca será abolida, ela faz parte do ser humano. É sinal de que a criança está desenvolvendo habilidades psicológicas importantes. Está aprendendo sobre empatia. Em contrapartida, a honestidade está entre os valores mais importantes que queremos ensinar.

A prevenção é sempre a melhor arma. Mas tudo tem jeito!

  • A melhor maneira de conversar sobre mentira é mantendo a calma. É o momento ideal para conversar sobre honestidade.
  • Evite fazer promessas. Procure fazer acordos ou combinados que possam ser efetivamente cumpridos.
  • Explique como a confiança se constrói e como é fácil quebrá-la.
  • Se ela ganhou um presente e não gostou, ensine-a a apenas agradecer. Não é necessário mentir, mas também precisa ter cuidado com a sinceridade excessiva. Às vezes é melhor não dizer nada.
  • Não repreenda os erros da criança. Mostre como pode aprender com eles. Se ela tiver medo ou vergonha de contar algo que fez errado, certamente irá recorrer à mentira. (Leia neste link como ensinar com os erros)
  • Se ela é do tipo que gosta de contar vantagem, mostre que ela não precisa ser melhor em tudo. Faça com que perceba as mutias qualidades que possui. E que ela já é muito amada dessa forma.
  • Caso extremos podem precisar de uma ajuda a mais. Na dúvida, agende uma conversa com um psicólogo.

Sempre que perceber que a criança está mentindo, tenha cautela para chamar sua atenção. Se ela mentir, você ficará bravo; se ela falar a verdade, você ficará bravo também? Nunca humilhe ou rotule, apontando seu erro. Essa relação de confiança se construirá através do diálogo e do exemplo.

Por Amanda Puly

Artigos Relacionados

Quando os filhos voam…

Quando os filhos voam…

Eu queria ter uma máquina do tempo para voltar na época em que meu primeiro filho era pequeno. Na verdade não sei explicar como ele pôde crescer tão rápido… Mas queria poder desfrutar de suas mãozinhas gordinhas novamente, vê-lo amar tomar...

Responder