Assobiar e chupar cana? Mães à beira da loucura!

Hoje acordei com meu planejamento pronto para o dia: responder alguns e-mails, dar uma geral na casa, comprar umas verduras e fazer o almoço, tudo pela manhã para poder atender dois clientes à tarde, quando as crianças estão na escola. Enquanto tentava desfazer a montanha de louça suja da pia, meu telefone tocou duas vezes. Ok, posso lidar com isso. Só espero que meus clientes não ouçam o barulho da máquina de lavar. De repente meu filho acorda assutado, lembrando que precisava entregar um PRISMA-FEITO-DE-PALITOS-DE-FÓSFORO ainda hoje. Como sempre, ele deixou para a última hora. Como sempre sobrou para mim.

Preciso encaixar uma ida ao mercado enquanto faço uma rápida busca no Google sobre como colar os tais palitos. Tudo atrasou, a rotina foi pelo ralo. E pra terminar, tive que desmarcar meus clientes porque meu filho mais novo não quis entrar na escola quando viu que a recepcionista tinha faltado (ele tem autismo, não sabe lidar com mudanças na rotina).

Conciliar a vida pessoal e profissional não é tarefa simples para quem tem filhos. Entre a casa e o trabalho ainda é preciso encaixar as idas ao mercado, visitas ao pediatra, levar e buscar as crianças na escola… E ainda ficam as tarefas domésticas esperando sua vez.

O desgaste físico e emocional passa a fazer parte do cotidiano das mães. E junto, a sensação de que não estão sendo nem boas mães, nem boas profissionais.

Contar com apoio familiar e dividir as tarefas em casa pode ajudar a diminuir o fardo. Além disso:

  • Aprenda a pedir ajuda. Vale recorrer à mãe, à sogra, à melhor amiga. E se estiver dentro das suas condições, aliviar algumas funções do dia a dia contratando uma diarista ou a condução escolar pode ser libertador!
  • Seja flexível consigo mesma, mude seus objetivos. Não se culpe se o planejamento não deu certo, se os temperos que você plantou em casa já morreram, se você jurou que seu filho nunca veria a Galinha Pintadinha e agora precisa recorrer a ela de vez em quando. Aceite que pode mudar!
  • Jamais se culpe por precisar trabalhar fora! Verifique a possibilidade de adequar seu trabalho, diminuindo a carga horária, trabalhando em casa (que nem sempre funciona) ou passando o horário de almoço com os filhos. Se nada disso for possível, faça com que o tempo que passa com as crianças seja de qualidade. Reserve um tempo para brincar exclusivamente com elas todos os dias, de verdade.
  • Separe um tempo para si mesma. Não é egoismo! Fazer a unha no final de semana, matricular-se em uma aula de dança ou culinária ou chamar as amigas para um café de vez em quando. Escolha algo que possa desvincular seus pensamentos, nem que seja só por uma horinha.
  • Aceite a imperfeição! Todos os bebês choram, passam noites acordados; as crianças inevitavelmente ficarão doentes, farão birra em algum momento. Existem dias maravilhosos e outros nem tanto. Até a mais perfeita das mães (se é que isso existe) tem dias difíceis.

Já que é humanamente impossível dar conta de tudo, o jeito é relaxar. Dar o melhor de si não significa dar conta de tudo e sim fazer escolhas! E desencanar daquilo que não podemos mudar.

Por Amanda Puly

Artigos Relacionados

Quando os filhos voam…

Quando os filhos voam…

Eu queria ter uma máquina do tempo para voltar na época em que meu primeiro filho era pequeno. Na verdade não sei explicar como ele pôde crescer tão rápido… Mas queria poder desfrutar de suas mãozinhas gordinhas novamente, vê-lo amar tomar...

Responder