Autismo: foco nas habilidades, não nas dificuldades

Mais importante do que identificar o que a criança com autismo não consegue fazer, é identificar suas potencialidades. Quando voltamos nosso olhar ao que a criança consegue fazer, conseguimos estimular muito melhor o seu desenvolvimento.

Se ela é organizada, consegue se vestir, já toma banho sozinha, consegue por a mesa, montar um quebra-cabeças, escovar os dentinhos, guardar seus brinquedos… Valorize as pequenas atividades que ela consegue executar com autonomia!

Nós pais parecemos estar sempre com pressa de ver as coisas acontecerem. Queremos ver o aprendizado, ver o desenvolvimento. Mas não existe fórmula mágica! Qualquer aprendizado requer tempo, paciência e dedicação.

Se quer ver o avanço acontecer, considere esses pontos:

  • A criança precisa ACREDITAR que consegue. E a primeira pessoa a passar essa confiança será você!
  • Inicie a tarefa para que ela possa concluir. Use modelos, exemplifique. Por exemplo: desenhe a metade do círculo e peça que ela desenhe o restante, ou então escove os dentes de um lado da boca e deixe-a tentar o outro lado.
  • Possibilite pequenas vitórias. Dê metas menores e amplie gradualmente, para que a criança não perca a crença em si mesma.
  • Dê oportunidades para que ela compartilhe o que sabe. Seja com outras crianças ou com seus próprios pais, peça para que ensine ou mostre como faz algo que já tenha domínio.
  • Valorize cada tentativa positiva, mesmo que pequena. Veja bem, mesmo que a criança não tenha efetivamente conseguido concluir uma tarefa, seu esforço deve ser sempre valorizado!
  • Tire o foco da perfeição!

Palavras de incentivo e elogios devem acontecer sempre que houver avanços. As críticas e reprovações estão proibidos, pois a criança precisa associar o aprendizado a algo prazeroso!

Por Amanda Puly

Artigos Relacionados

Responder