Autismo leve ou coisa de criança?

Alguns sintomas do autismo podem ser confundidos facilmente com com características comuns nas crianças: agitação, gostar de brincar sozinha, assistir sempre os mesmos desenhos, falar sozinha, ter amigos imaginários, teimosia, birras, etc.

Se o grau de autismo é mais grave, fica fácil identificar os sintomas e, consequentemente, o diagnóstico é mais rápido. Mas como então identificar o autismo leve? Um diagnóstico tardio pode prejudicar muito o tratamento adequado e agravar o quadro…

É necessário estar atento quando essas características tão sutis prejudicam de alguma forma o desenvolvimento da criança. Não há problema algum em gostar de brincar sozinho se a criança interagir normalmente em outros momentos, se comunicar, gostar também das atividades em grupo. Também não há problemas em ver sempre o mesmo desenho, se ela tiver outros interesses e gostar de compartilhar suas experiências.

A atenção deve se voltar aos casos onde há prejuízo no desenvolvimento social da criança. Aí é preciso contar com a sorte de encontrar os profissionais certos. Eu mesma já ouvi que era muito cedo para me preocupar e que poderia esperar mais alguns anos (!) para ver se meu filho aprenderia a ter os mesmos interesses das outras crianças. Se alguém ouvir uma orientação como esta, procure outro profissional imediatamente!

Uma avaliação bem feita envolve ouvir os pais, investigar a família, o histórico da criança desde a gestação e uma cuidadosa observação dos comportamentos da criança.

Não olhar nos olhos, fazer movimentos repetitivos, não se comunicar, preferir estar sozinho são características comuns no autismo. Mas existem outros comportamentos que devemos estar atentos que podem ajudar a identificar o autismo precocemente:

 

  • O bebê que não procura pela mãe com os olhinhos, que não faz contato visual durante a amamentação, que não estende os bracinhos para pedir colo.
  • A criança que puxa os pais pelo braço para demonstrar o que quer.
  • Quando parece não perceber o perigo, colocando-se em situações de risco (como subir em lugares altos ou muito fechados).
  • Quando passa por outras crianças sem notá-las, como se fossem “coisas”.
  • Quando apresenta dificuldades na compreensão de ordens simples, como “Olhe para cima“, “Venha até aqui“, “Traga para mim“.
  • Quando repete falas de desenhos em momentos inapropriados.
  • Quando repete a última palavra do que foi lhe dito, sem compreender o que ouviu.
  • Quando não gosta de ouvir histórias, tem dificuldade em imaginar.
  • Quando não entende ironia, parece não ter maldade. Não sabe mentir ou disfarçar.
  • Quando fica muito perturbada com mudanças na rotina.
  • Quando se incomoda com cheiros, toques, etiquetas, barulhos, etc.
  • A criança que aprende a ler sozinha, antes fase de alfabetização (hiperlexia).

Estar atento a estes sinais é possibilitar o diagnóstico precoce, que permitirá o tratamento adequado o mais cedo possível, dando possibilidades de a criança se desenvolver com maior qualidade de vida.

Por Amanda Puly

Artigos Relacionados

17 Comentários

  • Posted 11 de March de 2016

    Sandra Nascimento

    Muito bom saber que pessoas se aprofundam no assunto que nem todas as pessoas percebem. Minha filha Letícia tem 3 anos e foi diagnosticada no segundo semestre de 2015 com TEA. Fiquei curiosa e incomodada com o comportamento dela, não olhar quando chamamos, em demorar a se comunicar, e etc. Fui a duas neoropediatras e uma delas disse que só precisava me preocupar depois dos 4 anos e que ela não tinha nada. Não satisfeita procurei outra. Então essa foi mais além, pediu exames auditivos, ressonância de crânio para descartar problemas neurológicos e foi ai que ela depois de muitas perguntas sobre ela e nós que fechou o diagnóstico de TEA. Agora ela está na escola e sendo acompanhada por terapia ocupacional, psicóloga e fonaudiologa. Letícia tem um grau leve. Pais pesquisem, sejam curiosos, procurem vários especialistas. Pesquisei muito sobre o assunto e obsevei muito o comportamento dela. Um abraço e Deus abençoe a todos.

  • Posted 8 de Dezember de 2017

    Dulce

    Meu filho foi diagnosticado com autismo com 8anos em agosto2017 sempre foi agitado desde os 4meses com 2 anos coloquei na escola e a professora pediu p levar na psicóloga levei desde então fazia análise agora levei no neuropediatra recebi o diagnóstico levei em outro pra segunda opinião recebi o mesmo diagnóstico . Ele ler bem fala bem brinca com crianças menores ele não sei consegui brincar com crianças da idade dele . Ele gosta do mesmo desenho repeti a música do desenho varias vezes pede a benção umas
    10vezes faz birras agitado o tempo todo não senta nem por 2minutod comecei levar nos tratamentos o psicólogo falou que não tem muito sintomas de autimo fiquei muito confusa pq passei por 2 neuropediatra todos falaram q tem espectro autista,anciedade e hiperatividade. Mais o psicólogo me confundiu mais ainda sera se meu filho é autista. Alguém me dar uma uma luz.

    • Posted 11 de Dezember de 2017
      Amanda Puly

      Amanda Puly

      Olá Dulce! A opinião dos profissionais podem divergir mesmo, é normal. Depende do preparo e da visão de cada um. Mas se você o levou para ser avaliado em 2 neuros e os 2 seguiram a mesma linha, é bem provável que estejam certos…
      O que eu sugiro para você nesse momento é que não fique tão focada no diagnóstico, e sim no que você pode fazer para que ele se desenvolva da melhor forma possível. O foco principal deve ser a qualidade de vida dele. Então valorize tudo aquilo que ele já é capaz de fazer e procure estimular as áreas que estão com atraso.
      A ansiedade faz parte do autismo e a hiperatividade muitas vezes caminha junto. É normal, ok?
      Espero ter ajudado um pouco! Beijos!

  • Posted 14 de March de 2018

    Nadja

    Meu filho tem TEA, sempre desconfiamos, mas o diagnóstico foi fechado aos 4, hoje ele tem quase 8 e o que nos incomoda é o fato dele preferir brincar com as meninas e a gostar do universo feminino, tipo desenhos, personagens ,roupas e afins não, ele gosta de outras coisas não femininas também. Agora na escola os colegas passaram a chamar ele de bárbie e não deixam ele participar da brincadeira, ele é doce, meigo e carinhoso, não é afeminado, mas meu marido fica criticando, dizendo que ele vai ser gay e isso dói! Será que esses gostos tem a ver com o autismo?

    • Posted 15 de March de 2018
      Amanda Puly

      Amanda Puly

      Olá Nadja! Eu acredito que não tenha relação com autismo, são apenas preferências. Eu acredito que não podemos escolher opção sexual, mas cabe a nós dar apoio e respeitar as características de cada um. A você restará um longo e exaustivo trabalho de conscientização e luta para que seu filho seja respeitado. Respeito que se deve a qualquer ser humano, independente de suas características. No que precisar de ajuda, conte com nosso apoio! Um abraço!

  • Posted 5 de Abril de 2018

    Cláudia

    Gostaria de saber mais sobre autismo
    Obrigada

  • Posted 16 de Abril de 2018

    Daniela Silverio

    Boa tarde.
    Meu filho tem 7 anos e fui chamada na Escola pois segundo as professoras de Ed. Fisica e Alfabetização, estão tendo problemas com ele para fazer ele se concentrar na aula. Na aula de Ed. Fisica, a professora disse que ele fica praticamente no mundo da lua. As vezes ele fica olhando pro nada, ou pega a bola e fica olhando para a bola… E a professora de alfabetização, dentro da sala de aula, ele não pára 1 min. Ele se mexe o tempo todo na carteira, ou fica distraído com o próprio material. A escola praticamente exigiu que eu levasse ele em um Neuropedriatra. Em casa, eu percebo que ele não brinca com os brinquedos deles. Ele tem dificuldade para responder às vezes minhas perguntas, faz umas birras de se jogar no chão. Elas insinuaram que ele pode ter TDAH e talvez leve autismo. Mais só o médico vai poder dar o diagnóstico correto. O que você acha? Estou bem perdida… Se puder responder via email, lhe agradeço danirsilveriopeirao@hotmail.com

    • Posted 17 de Abril de 2018
      Amanda Puly

      Amanda Puly

      Olá Daniela! A escola está certa em te alertar. Leve-o o quanto antes a um neuropediatra para uma avaliação. Não tenha receio disso, pois é importante identificarmos a razão desses comportamentos o mais cedo possível, para que ele seja ajudado. Os comportamentos podem significar inúmeras coisas, somente um profissional poderá lhe indicar o caminho correto! Um beijo!

  • Posted 18 de Abril de 2018

    Juliana

    Olá minha filha tem 2 anos, fui chamada na escola pois ela.não se relaciona com outras crianças com facilidade. Sempre vi isso é achava que fosse da personalidade dela. Mas fui alertada que pode ser autismo leve. Ela é muito inteligente, repete falas de desenho o tempo todo. Estou levantando os papéis para levar no Neuropediatra para ver se ele da um diagnóstico. O que você acha?

    • Posted 18 de Abril de 2018
      Amanda Puly

      Amanda Puly

      Olá Juliana! O posicionamento da escola é muito importante, pois a visão que eles têm dos nossos filhos em um contexto social é bem diferente da visão que temos em casa, em um contexto familiar. É essencial que você a avalie em um neuropediatra o quanto antes, pois a intervenção precoce poderá ser o diferencial em seu desenvolvimento! Um beijo!

  • Posted 21 de Abril de 2018

    De

    Olá Amanda…com 2 anos e 7 meses meu filho ainda não falava e o desenvolvimento não era para idade. Descobrimos uma otite de repetição! Fez cirurgia do ouvido e hj escuta 100%. Mesmo assim fomos atrás de ajuda….ele passou por uma avaliação neuropiscologica que não deu nota para autismo. ….mas traços, como movimentos das mãos, repedir alGuns desenhos,agressivo com as crianças da sala de aula….por outro lado comportamentos como olhar nos olhos de forma rápida, interação com a situações a volta, não ignora crianças, afetivo, demonstra emocoes……hj ele tem 4 anos, fala bastante, mas continua com os traços. ….isso pode ser só o atraso mesmo, ou ele pode ser autista?

    • Posted 22 de Abril de 2018
      Amanda Puly

      Amanda Puly

      Olá Renata! Dizer que a criança possui traços de autismo significa que ela precisa ser observada e constantemente reavaliada até que chegue-se a alguma certeza. Ou ela tem autismo ou não tem. Se na época da avaliação neuropsicológica ela apresentava indícios, e esses indícios ainda perduram, pode sim significar que ela tem TEA. Sugiro que vocês a reavaliem, para que seja feito um direcionamento mais correto com relação ao diagnóstico. Um abraço!

  • Posted 24 de Abril de 2018

    Renato

    Boa tarde, tenho uma filha de 03 anos que é extremamente inteligente em casa fala de tudo e teve um desenvolvimento normal até hoje. Percebemos que ela tem dificuldade de socialização com as outras crianças, sempre fica afastada ou mais calada na frente das outras crianças ou de adultos desconhecidos. Não sabemos como agir ou se isso pode ser alguma sindrome ou simplesmente é timidez. Por onde devo começar?

    • Posted 24 de Abril de 2018
      Amanda Puly

      Amanda Puly

      Olá Renato! Pode ser só timidez. É importante observar e trabalhar este comportamento para que não se agrave. Mas na dúvida, visitem um neuropediatra para que ela seja avaliada com mais precisão. Um abraço!

  • Posted 9 days ago

    Renan

    Tenho um filho de 3 anos quem tem ecolalia tardia e imediata (repete muitas palavras e frases até repetirmos, se comunica de forma mecânica, com frases prontas, memorizadas anteriormente) além de estereotipias (a gita o lápis e outros objetos em forma de círculos, fica vidrado em rodas de carrinhos e ventiladores), tem rompantes de raiva quando contrariado ou quando o brinquedo não tem um desempenho satisfatório, gosta de assuntos restritos, como cores, marcas de carro e etc. Sei que ele é autista por esses comportamentos. Os comportamentos fora o espectro são: tem intenção comunicativa, gosta de brincar, olha nos olhos, se esforça em aprender e se fazer compreender, não tem coordenação motora comprometida, é socializável.
    A única pergunta que me assombra é se poderá levar uma vida normal. Pelo que descrevi ele parece se enquadrar no autismo leve, ou atípico, já que a interação social está praticamente mantida.

    • Posted 7 days ago
      Amanda Puly

      Amanda Puly

      Olá Renan! Seu filho já foi submetido a uma avaliação neurológica? Algum neuropediatra faz seu acompanhamento? Se a resposta for não, é importante buscar o quanto antes! A ecolalia e as estereotipias são comportamentos que podem ser reduzidos com intervenção. Isso é importante porque, na maioria das vezes, esses comportamentos comprometem a comunicação e as interações sociais.
      Em resposta à sua pergunta, quanto mais cedo se iniciarem as intervenções, maiores as chances de que ele consiga desenvolver sua autonomia. Nesse momento, o mais importante é trabalhar para que consiga ser futuramente independente.

      • Posted 7 days ago

        Renan

        Obrigado! Sua primeira consulta com um neuro será dia 29/05. Faremos o que for preciso para seu progresso. Tenho percebido melhoras, mesmo sem ele ter crianças por perto para interagir. Sexta foi seu primeiro dia na escola e hoje ao ver um desenho na televisão, ele correu atrás de mim e disse: “papai compra caminhão amarelo”. Começou a me chamar de papai, e formulou uma frase. Creio que com intervenções seu quadro só progredirá. Graças a Deus!

Responder