Inclusão escolar de autistas: o papel do professor

A inclusão escolar de crianças com autismo no ensino regular depende de cada escola, como um todo, mas o professor tem um papel essencial. Conhecer o espectro e suas limitações é fundamental!

Apesar das características em comum, ligadas à comunicação, ao comportamento e à socialização, cada criança dentro do espectro é única, com necessidades educacionais específicas. O olhar atento e o engajamento do professor poderão garantir ao aluno um melhor aproveitamento no aprendizado escolar, além de contribuir para sua inclusão social.

Aqui vão algumas dicas a serem adotadas, que não garantem a total inclusão, mas contribuem significativamente:

  • Manter a sala organizada: as carteiras, os materiais, os livros. A criança com autismo já é superestimulada pelo ambiente naturalmente. A poluição visual pode dificultar ainda mais sua concentração.
  • Ensinar limites utilizando menos o “não” e mais o que deve ser feito. Ao invés de dizer “Não fique de pé!“,  prefira “Agora é hora de sentar!“. Dizer “não” abre muitas possibilidades do que pode ser feito.
  • Estabeleça uma rotina semanal e a mantenha durante o ano todo. Deixe-a bem visível na sala de aula. É muito importante que a criança com autismo tenha essa previsibilidade do que irá acontecer. Então, tem-se a chegada, lanche, atividade, hora da história, parquinho, por exemplo, sempre nos mesmos horários. Quando for necessário fazer alterações nessa rotina, avisar com antecedência e mantê-la visível. (veja aqui algumas dicas sobre rotinas)
  • Barulhos, tumulto, excesso de informações, a necessidade de estar atento, estímulos externos, tudo isso junto pode deixar a criança irritada. O estresse pode levá-la a uma crise nervosa, por isso é muito importante estar atento aos sinais de que algo não vai bem. Pode ser necessário deixá-la um tempo sozinha, em um espaço silencioso e escuro, com poucos estímulos, até que se tranquilize.
  • Por falar em um tempo só, uma grande tendência nos autistas é se isolar, querer brincar e fazer atividades sozinhos. O que não significa que não devam ser convidados a participar das atividades. Geralmente gostam muito de participar junto!
  • Alguns possuem interesse específico em algum tema ou assunto. Você pode utilizar esse interesse para atrair e conquistar a criança, mas precisará motivá-la a se interessar por outros assuntos também.
  • Atenção ao bullying! Outras crianças podem achar diferente o modo da criança autista falar, se movimentar, fazer estereotipias, ser repetitivo… é muito importante estar atento para que não se torne alvo de piadas e discriminações.
  • Tenha o cuidado de chamar sempre a criança pelo nome e ter certeza de que ela está atenta. Ecolalia (ou repetição) não é sinônimo de compreensão. Algumas crianças apenas repetem algo que foi dito e pode parecer que compreenderam. Por exemplo: “Você quer bolacha ou maçã?“, e ela responde “Maçã!“, sem compreender o que foi solicitado. (veja aqui algumas dicas sobre ecolalia)
  • Se você perceber que a criança precisa de algum tipo de reforço ou ajuste pedagógico, converse com os pais. Estamos geralmente dispostos a cooperar.

Esteja certo de que nós, pais, buscamos uma parceria na educação. Qualquer dúvida (qualquer dúvida mesmo!), não deixe de nos perguntar, por mais que pareça algo sem importância.

Artigos Relacionados

8 Comentários

  • Posted 20 de January de 2016

    Danielle

    olá, sou professora e este ano vou receber um aluno autista e tenho dúvidas em relação á recepção escolar como deve ser ? em geral os autistas não gostam de meios afetivos então estou pensando em formas de interação e mesmo meios de criar vínculos com ele e aí alguém pode me ajudar com dicas, sugestões e / ou informações a respeito … grata desde já …

    • Posted 20 de January de 2016
      Amanda Puly

      Amanda Puly

      Olá Danielle! Bom, em primeiro lugar, parabéns pela iniciativa! É muito importante já estar preparada antes da criança chegar.
      Os autistas gostam de afeto! Eu desmistifiquei isto há pouco tempo, veja no post: O autismo e o desenvolvimento afetivo.
      Recentemente também escrevi sobre Criar e fortalecer vínculos com uma criança autista (clique no link também para ver).
      Acho que temos bastante materiais já publicados que podem te ajudar. Mas o mais importante é você conhecer a criança, os pontos em que ela tem dificuldade. Eu sempre escrevo uma cartinha para os professores do meu filho explicando em que devem ficar atentos. Se os pais da criança não entrarem em contato com você antes do início das aulas, seria interessante você agendar um horário para uma conversa.
      Se tiver outras dúvidas, volte aqui para nos consultar! Um beijo e bom trabalho!

  • Posted 20 de January de 2016

    Diana Carla de lima

    Oi gostei dessa o rietasao sobre o autismo eu teio um filho com autismo o nome dele é Genival Júnior ele tem 4anos e fãs tratamento na crinica da Pestalozzi e ele ainda têm dificuldade de fica na sala de aula fasendo as tarefainhas o que é que eu faso por favo mide umas dicas aí amiga

    • Posted 21 de January de 2016
      Amanda Puly

      Amanda Puly

      Oi Diana! Você precisa tentar identificar o que faz com que ele não queira ficar na escola. Podem ser os barulhos, o tumulto, a falta de vínculo afetivo com o professor, o tratamento que ele recebe, etc. Podem ser muitos fatores, mas é necessário analisar especificamente o que ele não gosta. Ele ainda é novinho, então há muito que pode ser feito! Peça ajuda ao professor, passe orientações a ele das coisas que seu filho gosta e como fazer para conquistá-lo. Beijo

  • Posted 21 de January de 2016

    Michelle

    Oi Amanda!
    Adorei este post.Sou mãe de autista e esse ano meu filho vai ser incluso…Estou muito apreensiva,mas esperançosa….Esta matéria veio bem a calhar….Obrigada e parabéns!!!!

  • Posted 21 de January de 2016

    Edneide Xavier Ivo

    Oi Amanda! Tudo bem!

    Primeiro quero lhe agradecer pelas informações e sugestões , sou mãe de autista também, seu nome é Pedro Ivo e tem 7 anos! Esse ano será um desafio porque vai para o 1 ano-alfabetização e ele ainda tem muitas dificuldades, achei super interessante a carta para o professor e tentamos sempre fazer um processo de previssibilidade para o Pedro, tentando informar o que pode acontecer antes de ir para qq lugar! Ajuda bastante ! Estamos otimistas! Obrigada pelo lindo post e estamos na luta sempre! Bj carinhoso e Deus lhe anençoe!😘🙏🌹

    • Posted 21 de January de 2016
      Amanda Puly

      Amanda Puly

      Oi Edneide! Obrigada pelos elogios! É isso mesmo, seguindo as dicas vai dar tudo certo, pode ter certeza! Um beijo e boa sorte nessa nova etapa!

Responder