Autismo: Por que algumas crianças se tornam agressivas?

Por Amanda Puly

O fato de uma criança ter o diagnóstico de autismo não significa que ela desenvolverá comportamentos agressivos. Na verdade, a agressividade é um comportamento que reflete alguns sentimentos comuns às crianças com esse transtorno, como angústia, frustração e ansiedade. Aliada a estes sentimentos está a dificuldade em se expressar e o medo do social. Por causa do bloqueio na comunicação, algumas crianças demonstram seus sentimentos através de comportamentos.

2015-09-26_00.17.47A repetição de comportamentos agressivos pode ser motivada pela resposta que a criança obteve quando agiu de determinada forma em alguma situação. Por exemplo: quando a criança grita ou se auto agride para conseguir algo. Se o objetivo for alcançado, ela repetirá esse comportamento outras vezes.

O comportamento agressivo pode ter várias motivações, como: conseguir algo, chamar atenção, fugir de algum incômodo sensorial, se recusar a executar alguma tarefa, medo, insegurança, etc.

Mas trabalhar essas questões com uma criança autista é muito difícil e complexo. Ela não entende nossa lógica, do que é ou não adequado diante da sociedade. E é muito comum encontrar pessoas leigas no assunto julgando os pais nessas situações. Ainda bem que a informação está cada vez mais acessível!

Como então eu devo agir?

O primeiro passo é ensinar a criança a se comunicar. Com gestos, palavras ou imagens, a criança precisa aprender a identificar e expressar suas emoções. Aqui no site já colocamos algumas dicas para estimular essas áreas: habilidades sociais, comunicação verbal, etc.

O maior erro que podemos cometer diante de um comportamento agressivo é colocar a criança de castigo! Lembre-se que a criança ainda está na fase de tentativa e erro para definir como deve agir em determinadas situações. Se ela se bateu e conseguiu sua atenção, logo ela atingiu seu objetivo… fique atento a isso!

Quando a criança com autismo aprende um determinado “ritual”, é muito difícil revertê-lo. Muito difícil, mas não impossível. Com muito esforço e paciência, repetidas vezes, os pais deverão retirar a criança do ambiente que gerou o comportamento, levando-a para um lugar tranquilo, afastar os possíveis perigos (como algo em que ela possa se machucar ou outras crianças que estejam por perto) e esperar que ela se acalme. Quando a criança estiver mais serena, explicar da maneira mais objetiva e concreta possível como ela deve agir para conseguir seus objetivos.

Aos poucos, as crianças precisam adquirir confiança, se sentirem seguras. Diminuir o nível de ansiedade nelas está em nossas mãos! Os pais são os principais agentes em seu desenvolvimento. Portando, definam suas pequenas metas e façam muito reforço positivo nas conquistas. O desenvolvimento da comunicação e da confiança proporcionará uma melhora na qualidade de vida da criança e a deixará mais preparada para reagir ao mundo ao seu redor.

Artigos Relacionados

13 Comentários

  • Posted 26 de Settember de 2015

    jacqueline Dias

    De muita relevancia essa orientaçőes

    • Posted 26 de Settember de 2015
      Clube Materno

      Clube Materno

      Obrigada Jacqueline, seja sempre bem vinda!

    • Posted 23 de Agoust de 2017

      Leidiane Silva

      Sou mediadora de um aluno no espectro e tô encontrando muita dificuldade com o seu comportamento agressivo. Ele tem 3 anos e é não verbal. Gostaria de algumas dicas.

      • Posted 24 de Agoust de 2017
        Amanda Puly

        Amanda Puly

        Bom dia Leidiane! Antes de agir, é necessário fazer um processo investigativo sobre essa agressividade. Em que momentos ela ocorre? É só na escola ou em casa também? Quais os motivos que o deixam irritado? Ele tem dificuldades sensoriais (não gosta de barulho, toques…)? Ou talvez esteja repetindo um comportamento que ele assiste em algum filme ou desenho? Ou ainda é a quantidade de crianças que o deixa incomodado?
        É necessário estudar bem esse comportamento para então conseguir agir sobre ele. Quando fizer a investigação, os pais e profissionais precisam estar com a mente bem aberta, considerar todas as opções, porque às vezes o motivo é algo que nem esperávamos.
        Aí então é possível trabalhar em conjunto com pais, escola e terapeutas para que o comportamento seja aos poucos amenizado.
        Só já adianto que colocar de castigo, brigar ou fazer um longo sermão não irá resolver… Na escola é necessário ser bem assertivo e objetivo, de uma forma positiva também.
        Espero ter ajudado um pouco! Beijos

  • Posted 1 de Outober de 2015

    alequerica

    Tenho alunos autistas, percebo como a agitação dos outros alunos, músicas altas ou aglomeração de pessoas os deixam mais nervosos. É um trabalho de amor e paciência, mas com recompensas únicas. Conquistar o amor e ver a evolução de pessoinhas tão brilhantes assim, é uma sensação única!

    • Posted 1 de Outober de 2015
      Clube Materno

      Clube Materno

      Olha que legal, disse tudo: amor e paciência! Obrigada por participar, seja sempre bem vinda!

  • Posted 3 de Outober de 2015

    Radhazen

    Bacana demais! Obrigado pelas dicas não deixem de visitar o nosso blog RadhaZen Pai&Filhos.

    • Posted 3 de Outober de 2015
      Clube Materno

      Clube Materno

      Obrigada! Vamos visitar sim! Beijos

  • Posted 12 de Outober de 2015

    Paulo rodrigues de Almeida

    GOSTEI !
    EU necessito sempre de informaçao assim ,meu filho de cinco anos tem west e minha esposa retinose pigmentar com cinco por cento de visao as vezes fico sem saber o que fazer em algumas situações ,esse artigo foi de bom aproveito
    OBRIGADO !!!

    • Posted 12 de Outober de 2015
      Clube Materno

      Clube Materno

      Obrigada Paulo! Participe sempre! Um abraço!

  • Posted 10 de January de 2016

    Debora pedroso

    Quero dicas meu filho 9 anos autista, agride muito sua tia toda vez que a vê. Whats 53 99514289

    • Posted 10 de January de 2016
      Amanda Puly

      Amanda Puly

      Oi Debora! Teria que estudar o caso do seu filho, ver qual a razão da agressividade. É somente com ela que ele fica agressivo? Talvez ela precise reiniciar uma aproximação diferente com ele, criar vínculo, chamar sua atenção para coisas que ele goste. Atraí-lo ao invés de se aproximar. Talvez ela esteja sendo invasiva para ele, não sei. Seria interessante estudar melhor esse caso para te dar uma resposta mais precisa. Um beijo!

  • Trackback: Desmistificando o autismo | Clube Materno

Responder